fbpx

Aqui estão cinco coisas que acontecem quando um líder tem paixão:

1. Paixão produz energia:
Um líder que tem paixão é impulsionado para frente pela energia que essa paixão produz. Quando se trata de liderar a si mesmo e aos outros, paixão e energia são essenciais. Donald Trump disse: “Sem paixão, você não tem energia; sem energia, você não tem nada”. Os líderes que têm paixão também trazem energia para o que eles fazem.

2. Paixão impulsiona a visão:
Se um líder quer ver a sua visão e os objetivos sendo realizados, então a paixão do líder deve ser o combustível que impulsiona a produção e os resultados da visão. A visão da organização ou da equipe deve ser frequente e apaixonadamente comunicada aos outros.

3. Paixão inflama os outros:
Todos nós já conhecemos os estivemos perto de um líder apaixonado. Normalmente, depois de estarmos em torno de um líder apaixonado, sua energia e paixão recaem sobre nós. Isso faz com que nos sintamos mais fortalecidos e motivados. A paixão de uma pessoa pode inflamar paixões em outras pessoas e trazer energia para suas vidas.

4. Paixão gera influência:
John Wesley disse: “Quando você se coloca em chamas, as pessoas amam vir para vê-lo queimar”. Isto é o que acontece quando um líder tem paixão. O líder começa a ganhar mais influência com outras pessoas, e as pessoas querem ser parte do que está acontecendo. Se você quiser aumentar a sua influência, então você precisa ser um líder apaixonado.

5. Paixão gera potencial:
Temos observado que a paixão de um líder traz novas oportunidades e abre porta para o sucesso. Isto ocorre porque quando você está apaixonado pelo que você faz, você é movido para mais perto de seu potencial. Mover-se mais perto de seu potencial faz com que você se mova para o próximo nível dentro de sua carreira e trajetória pessoal.

É correta a maneira popular de chamar a morte de Jesus de “A paixão de Cristo”. Sim, pois foi paixão que levou nosso Senhor à cruz pela redenção da humanidade. Quanto a nós, será que somos apaixonados o bastante por aquilo que fazemos? Até que ponto nossa paixão tem influenciado o inteiro curso de nossas vidas? E quais os frutos concretos e permanentes da paixão que temos ou deveríamos ter? Como motivação fica o recado: é tempo de se apaixonar!

Extraído da Revista MDA Ano II – Nº 06/2014 –  Texto de Dan Black, formado em Teologia e Desenvolvimento Humano, atua em ministério com jovens e adultos em San Diogo, Califórnia.